Translate:

Pesquisar este blog

Receba as atualizações do blog em seu e-mail:

• Arguivo do blog

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

ATALAIA NÃO É PROFETA


A palavra atalaia, substantivo comum de dois gêneros (o atalaia/a atalaia), procede do árabe. Neste caso, significa sentinela: aquele que observa, vigia com a finalidade de dar alarme sobre uma situação adversa. Passa a ser substantivo feminino quando designa o ponto de observação, a torre, ou guarita.

Metaforicamente a palavra designa pregadores da Palavra de Deus, ministros que cuidam do rebanho cristão, mantenedores da obediência à Escritura Sagrada. Pastores e mestres são atalaias, porque estão atentos às emboscadas e investidas do inimigo sobre a obra de Deus.

Profeta, do grego prophétes tem a função de profetizar, isto é, predizer acontecimentos por inspiração divina, ou desvendar, pela mesma inspiração, aquilo que não está revelado. O apóstolo Pedro profetizou quando desvendou a intenção de Ananias e Safira, que se apresentaram no templo para dizer uma mentira. Paulo profetizou quando repreendeu o espírito de adivinhação de uma jovem, na cidade de Filipos.

Na maioria das vezes, pregadores da Palavra agem como atalaias, tendo em vista que alertam os ouvintes para os deslizes a que todos estão sujeitos. Essas são mensagens que alimentam a vida cristã, das quais ninguém pode prescindir, sob risco de queda na vida espiritual.

Há casos, porém, em que alguém na reunião é tomado em profecia, seja para discernimento de algo oculto, seja para transmitir uma palavra de ânimo, da parte de Deus, para a igreja, seja para repreensão de toda a congregação. Por que Bíblia diz que as profecias devem ser avaliadas? Por que nem sempre elas vêm da parte de Deus; podem ser provenientes da vontade do que diz profetizar.

Nesse ponto é que muitas vezes se confunde o papel do atalaia com o papel do profeta. Nem sempre o atalaia deve trazer ao público a sua observação; ela pode ser mensagem particular a um irmão (Lc 17.3; Mt 18.15). Também há profecias que não são para o público, mas, de natureza pessoal (2Sm 12.1-15).

O pregador pode ser usado como profeta, se traz uma mensagem revelada para a igreja, porém nem toda pregação é profética. Na maioria das vezes a mensagem vinda dói púlpito é para atalaiar, palavra que gosta de usar o meu amigo pastor Newton Carpintero.

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário