Translate:

Pesquisar este blog

Receba as atualizações do blog em seu e-mail:

• Arguivo do blog

domingo, 8 de maio de 2011

UMA CANA AGITADA PELO VENTO...

Uma cana é um vegetal: um caule de natureza frágil. Uma cana não é um tronco firme, fixo, bem enraizado no solo. Um tronco suporta o passeio do vento, o que não acontece com a cana. Se o vento vem do Norte, dobra a cana; o mesmo acontece se ele vem em outro sentido. A cana sempre se agita por causa do vento; o sopro se impõe a ela e dita-lhe a posição.
O versículo em que Jesus faz referência a João Batista chama muito à atenção: “E, partindo eles, começou Jesus a dizer às turbas a respeito de João: Que fostes ver no deserto? Uma cana agitada pelo vento?” (Mt 11: 7).
Primeiramente é necessário notar que Jesus se dirigia às turbas, isto é, a grande número de pessoas que formam uma multidão desordenada, sem rumo, à procura de algo; à procura mesma do que não conseguiam identificar. Essas turbas eram como canas agitadas pelo vento; iriam para a direita, tanto quanto para a esquerda. Podiam prosseguir na jornada ou retornar, ao sabor do que as atraísse. As turbas tinham ido ao deserto para ver João; agora estavam à procura de Jesus, mas não tinham decisão em suas atitudes. Indo ao deserto, não acharam “um homem ricamente vestido”, porque esse tipo de pessoa não está nos desertos, senão nos palácios reais (v. 8). A figura física de João não atraía.
As massas são atraídas pelo aspecto físico, pela pompa, pelo espetáculo (para não usar o anglicismo “show”). Pouco interessa a mensagem: as massas preferem a “massagem”.
Jesus ensina-lhes que lá havia um profeta, ou melhor, muito mais do que um profeta. A posição de João Batista era a mais importante da época: anunciar a chegada do Filho do Homem, diante de quem agora se achavam (v. 19). Mas o aspecto social do João Batista não era condizente com a sua posição.
João não se curvava aos interesses terrenos; não transigia. Ele era profeta de uma mensagem imutável, contundente e verdadeira. João não era uma cana agitada pelo vento; era um tronco bem firmado no solo. Sua firmeza foi tanta que, tendo apontado o pecado de Herodes, terminou por pagar com a própria vida. Parece que o século atual carece de homens que não sejam “uma cana agitada pelo vento”.
O valor do profeta não está no ambiente social que frequenta; não está nas vestes que usa; não está nos bens materiais que, à custa de concessões, adquire. O valor do profeta não está na grandiosidade econômica dos seus projetos e eventos; também não está no tamanho das turbas que o procuram.
O valor do profeta está na veracidade da sua exposição; está na correspondência entre suas atitudes e suas pregações. O valor do profeta está na sua integridade moral e espiritual. A esse, Jesus pode chamar de grande: “Em verdade vos digo que, entre os que de mulher têm nascido, não apareceu ninguém maior do que João Batista...” (v. 11).
O mundo atual carece de “Joões Batistas”. Há lugares para pessoas que se incluam naquilo que Jesus disse na continuação do versículo mencionado: “... mas aquele que é o menor no Reino dos céus é maior do que ele”. Não há lugar para os maiores, não há lugar para os mais famosos, não há lugar para os astros da atualidade; não há lugar para os que se julgam grandes. Esses estão usurpando lugares. Deus lhes punirá a soberba.
Há que se incluir entre os menores do Reino; há que se incluir entre os pequeninos e desprovidos do espírito de ostentação (Mt 5: 3). Mas há que não ser “uma cana agitada pelo vento”; há que ser firme de convicção e de propósito. Há que ser enraizado no solo nutritivo que é a Palavra de Deus.
Quem se alista para essa posição? Jesus disse: “... Se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo e tome sobre si a sua cruz e siga-me.” (Mt 16: 24). Chama a atenção o caráter redundante do texto: renunciar-se a si mesmo; tomar sobre si a sua cruz. Ora, renunciar-se só pode ser a si mesmo. A intenção é que se vá à mais profunda renúncia pessoal. Tomar a sua cruz sobre si aponta para uma vida de sacrifício pessoal e intransferível; aponta para uma vida oposta à situação ministerial regalada, pomposa e importante nas rodas sociais e políticas. Pois é, faltam “Joões Batistas” modernos; faltam os menores no Reino dos céus.

11 comentários:

  1. Sem dúvidas vc usou de muita propriedade da Palavra. E, com isso "falou" bem. Desejaria que vc conhecesse meus textos a respeito de assuntos que estão sendo distorcidos e, consequentemenete, levando muitos ao caminho largo. Gosto de trocar idéias com pessoas que comungam comigo. Meu E-Mail para quem quiser conhecer é edmundosb@ig.com.br ou edmundosb.botelho@gmail.com.

    ResponderExcluir
  2. Estive buscando uma resposta para este trecho, e acabei me deparando com este; gostei muito. É exatamente o que este mundo precisa de homens assim que tenha compromisso com a verdade e com Cristo.Parabéns que o Senhor Jesus te engrandeça na graça e verdade!

    ResponderExcluir
  3. GENTE QUE COUSA MAIS LINDA ESSA MEDITAÇÃO. E PENSAR QUE TEM PREGADOR EVANGÉLICO DEIXANDO DE SER UM JOÃO.

    ResponderExcluir
  4. Muito objetivo, esclarecido e informativo.

    Muito bom, amigo, Deus lhe abençoe e te de sua sabedoria.

    A paz.

    ResponderExcluir
  5. pois é eu tambem preciso ser um João Batista

    ResponderExcluir
  6. Na verdade eu fui ao google e minha curiosidade era apenas saber o significado da palavra turbas, mas ao me deparar com este texto fiquei de boca aberta pelas verdades aqui contidas. O mundo cristão está a ser engolido elo materialismo e não só, porque os Joões Baptista desapareceram. Deus abençoe.

    ResponderExcluir
  7. ai meu Deus me deu vontade de chorar de ter sentido a presença de Deus por ter lido este texto eu tambem como o colega acima estava procurando o significado da palavra turbas e me deparei com esse texto muito esclarecedor Deus abençoe a sua vida meu irmao!

    ResponderExcluir
  8. Boa tarde , a paz de nosso Senhor Jesus ! Quando em Mateus 11 , fala acerca de que : Mateus 11 - 18. Porquanto veio João, não comendo nem bebendo, e dizem: Tem demônio. 19. Veio o Filho do homem, comendo e bebendo, e dizem: Eis aí um comilão e bebedor de vinho, amigo de publicanos e pecadores. Entretanto a sabedoria é justificada pelas suas obras. - Bíblia ? O que quer dizer , porque João também se alimentava e os dois eram nazireu . Obrigado aguardando a sua resposta ,pastor .

    ResponderExcluir