Translate:

Pesquisar este blog

Receba as atualizações do blog em seu e-mail:

• Arguivo do blog

segunda-feira, 1 de junho de 2015

MUDANÇAS


Eu sei que os tempos mudam. Também sei que pessoas, hábitos e coisas são substituídos.  Se pensarmos nos equipamentos de uma residência média, há 50 anos, quase nada se adapta às novas casas. Aliás, aos apartamentos desta época. Minha memória revisita a casa dos meus pais, onde nasci, fui criança, adolescente e jovem, por fim.
Comecemos pela parte externa. Havia dois enormes quintais: um deles, lateralmente à casa, era quase uma chácara. Ali meu pai cultivava árvores frutíferas como um abacateiro, goiabeiras, algumas canas de açúcar e hortaliças. Não precisávamos de feira e supermercado ainda não existia.
No quintal da casa, a qual era bem grande, havia jardins com plantas floridas; lembro que uma delas chamava-se rainha-da-meia-noite. Ela exalava um intenso perfume. Não havia SABESP: a água abundante vinha-nos de dois bem profundos poços, com bomba que alimentava as caixas-d’água. Como se vê, tudo bem diferente de hoje.
O interior da casa tinha móveis que hoje são relíquias de antiquário: imagine um aparelho de televisão: uma caixa em madeira, enorme, envernizada, com quatro pés. Quando era ligada, esperava-se “esquentar”, até que a tela ficasse acesa! Imagine o restante da enorme casa, senão gastarei seu tempo descrevendo. Tudo muda? Não! Quase tudo.
Se tudo mudasse, eu não teria essa saudosa lembrança que marcou minha infância, adolescência e juventude. Tudo está preservado, pelo menos na memória. E por ela faço constantes visitas ao passado. Lembrei-me agora, do automóvel Aero Willys, bege, 1961, do meu pai.
E na igreja? Fui criado numa igreja que, hoje, seria chamada, na concepção administrativa assembleiana, de sede de setor. Isso a tornava importante: tínhamos uma banda de música - poucos sabem o que é uma banda de música: uma “orquestra” formada apenas de sopros. Havia um coro em quatro vozes, que se acompanhava de um “hamônio” (melhor rir) uma espécie de órgão movido a pedais que acionavam os foles!
Naquela época, creio que todos os pastores eram sérios (em todos os aspectos); homens respeitadíssimos!
Os cultos não eram como a maioria em nossos dias. Primeiro: os irmãos eram pontualíssimos e eram identificados nas ruas por seus trajes e, sobretudo por carregar “cada um” a sua Bíblia, sem vergonha nenhuma; aliás, com um orgulho indisfarçável!
Chegados ao templo, cada qual se ajoelhava em seu lugar e ficava em oração, um após o outro. Na hora de iniciar o culto, o pastor encerrava aquela oração que durara coisa de vinte a trinta minutos; e a banda ia tocar, acompanhando o cântico da igreja. Era coisa de dois ou três hinos do hinário Harpa Cristã. A palavra inicial estava sempre com o pastor da igreja, o qual, às vezes, dava oportunidade a um ou outro irmão mais experiente. A tônica dos cultos nunca era a música cantada, não havia “cantores” à vontade, e esses, quase sempre eram visitantes em datas muito especiais. A tônica era a pregação.
Claro que muitas vezes se ouviu sermão passível de crítica, devido à dureza (e às vezes rudeza) do orador. Todavia, nem por isso alguém ousava desrespeitar. Independentemente do tom usado pelo orador, as pessoas queriam ouvir a exposição bíblica. Por isso, no decorrer da semana havia reuniões de estudo bíblico e, lembro-me bem, as E.B.D. eram lotadas e se dividiam em classes: homens, mulheres, jovens e crianças. Todos os alunos haviam estudado a lição do domingo, que era organizada, para preparo domiciliar pelas famílias, em cada dia da semana, de segunda a sábado. Aliás, aos sábados havia a Escola dos Professores de E.B.D.
Quanta mudança!
Muitas igrejas cresceram, não poucos crentes cresceram mais ainda! Como existe crente grande! Escolas Dominicais passaram a ser dispensáveis, porque ninguém as frequenta. As lições bíblicas viraram estoque morto. Aquela pontualidade do passado já não é levada em conta, e a reverência ao chegar ao templo esvaiu-se. Agora tem-s, em grande parte das igrejas, um cafezinho inicial, quando se pode bater um papinho, até que o pastor, ao microfone, chame os presentes, porque já é hora do culto. Os presentes! Porque outros chegarão dentro de vinte ou trinta minutos.
Mas, em nossos dias, para que os minutos de oração antes do início do culto? O pessoal se acostuma a “entrará no clima”, com os cânticos que porão entusiasmos na plateia. E haverá palmas! Tudo bem.
Por essas e outras, a maioria dos pastores se obriga a transformar o que já se chamou de “culto público” em ministração para crentes despreparados. Tem de dar ensino, chamar à atenção, “mostrar o que diz a Palavra”! Os cultos dominicais eram chamados de “cultos públicos”, porque tinham a finalidade de anunciar o evangelho aos visitantes não crentes! Eram cultos que cumpriam o “Ide” de Jesus. Hoje quase não há visitantes, porque os tempos mudaram, a vizinhança já não convive tão próximo e os crentes não nos empenhamos em convidar alguém.
Sei não! Estamos sendo leais a Cristo? Parece-me que estamos empenhados em receber de Deus as bênçãos e as respostas às nossas necessidades. Queremos respostas de Deus. Mas as respostas que procuramos significam “atendimento dos pedidos”. Deus, porém, está esperando de nós uma pergunta: Como estou diante de ti, meu Senhor? Que te darei eu pelos benefícios que me fazes?
O salmista diz: “Que darei eu ao Senhor, por todos os benefícios que me tem feito? Tomarei o cálice da salvação e invocarei o nome do Senhor. Pagarei os meus votos ao Senhor, agora, na presença de todo o seu povo” (Salmo 116.12-14).
Mudanças ocorrem; o Senhor, porém, jamais muda “Porque eu, o Senhor, não mudo; pó isso, vós, ó filhos de Jacó, não sois consumidos” (Malaquias, 3. 6). Nossas mudanças são normais e necessárias neste século, entretanto, não podem alterar o decurso da nossa relação com Deus.
Ev. Izaldil Tavares de Castro.

Um comentário:

  1. Verdade. Espero que voltemos ao evangelho com a urgência que isto requer.
    Um forte abraço.
    Washington

    ResponderExcluir