Translate:

Pesquisar este blog

Receba as atualizações do blog em seu e-mail:

• Arguivo do blog

terça-feira, 24 de março de 2015

PESCADORES DE HOMENS


PESCADORES DE HOMENS

Disse Jesus, “Sigam-me, e eu os farei os farei pescadores de homens” (Mateus, 4.19).

O ministério terreno de Jesus não teve outra preocupação, a não ser a salvação do ser humano. Logo depois de ser batizado no Jordão, por João Batista, tendo passado pela tentação no deserto, o Senhor saiu a anunciar as Boas Novas e a arregimentar seus seguidores. Percorrendo as páginas dos evangelhos, verifica-se que todas as ações do Senhor tinham a finalidade de salvar almas. Ele chamou as pessoas ao arrependimento de uma vida desregrada, curou enfermos, expulsou demônios, ensinou o caminho da salvação.
Ele veio para ferir a cabeça da serpente, que, no Éden, levou o homem à destituição da glória de Deus, por causa do pecado (Gn 3.15). Ele, O Prometido, não perdeu tempo para iniciar sua tarefa de resgatar o povo que andava em trevas. Jesus sempre teve o senso da urgência. Suas instruções eram para o tempo presente. O Evangelho não é mensagem para amanhã, senão para hoje.
Jesus também preparou discípulos, os quais continuariam a sua missão, depois que ele se oferecesse na cruz, como o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo. Andando pelas praias da Galileia, convocou pescadores, transformando-os em arautos de sua mensagem de salvação, a qual chegou até nós.
A noção da urgência evangelística tem que ser indisfarçável no coração dos cristãos. Nossos dias ostentam templos confortáveis, aconchegantes cuja finalidade não tem sido bem compreendida por considerável número de cristãos. O conforto dos edifícios religiosos não pode se resumir ao aconchego dominical dos frequentadores de cultos. Sim, frequentadores, pois grande parte das pessoas não cultua a Deus, nem trabalha pela obra evangelística, mas aprecia as boas instalações de um prédio, a agradável música e os sermões que afagam o ego.
Enquanto isso, a humanidade se perde fora das portas dos templos, a multidão de desesperançados caminha para a perdição; as almas perecem sem salvação nos hospitais; o vício das drogas arrebata milhares de vidas para o inferno. Quem de nós, os bem acomodados cristãos, frequentadores dominicais de belos templos, está verdadeiramente preocupado com essas vidas
Jesus, lá na Galileia, fez um convite específico, que nos alcança: “venham, e eu os farei pescadores de homens”; presenteou-nos com a salvação, e deixou-nos uma determinação: “Portanto ide, ensinai todas as nações, batizando-as em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-as a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado, e eis que estou convosco todos os dias, até à consumação dos séculos. Amém” (Mt 28.19-20). Despertemo-nos para a urgência urgentíssima do trabalho evangelístico, por meio de nosso testemunho pessoal, pela distribuição de folhetos, pelo convite aos necessitados de paz e de esperança.

Nenhum comentário:

Postar um comentário