Translate:

Pesquisar este blog

Receba as atualizações do blog em seu e-mail:

• Arguivo do blog

domingo, 1 de agosto de 2010

PROBLEMAS COM A LÍNGUA II

Prof. Izaldil Tavares de Castro

Neste texto pretendo expor apenas cinco frases de uso corrente que são verdadeiras pedradas no idioma nosso de cada dia. Limito a cinco frases, porque pretendo produzir outras observações — de cinco em cinco — comentando cada caso. A maioria das frases esconde erros imperceptíveis aos olhos e ouvidos despreparados. Talvez, lendo-as, alguns possam se preocupar com a necessidade de se melhorar o padrão linguístico (agora, sem hífen).

1) Foi gasto uma fortuna nesta reforma. (errada)
Foi gasta uma fortuna nesta reforma. (correta)
A palavra gasto, no caso, é um adjetivo. Ora, os adjetivos sempre concordam (em gênero e número) com a palavra à qual se referem. A palavra referida é fortuna, logo, ela foi gasta.
2. Quando ele ver o resultado, ficará alegre. (errada)
Quando ele vir o resultado, ficará alegre. (correta)
Verbos flexionados no futuro do subjuntivo assumem uma forma pouco comum aos usuários da língua. É necessário saber que essas formas derivam da terceira pessoa do plural do perfeito, suprimindo-se a terminação -am. Assim, compare alguns casos:
Eles falaram > se eu/ele/você falar (- am);
Eles puseram > se eu/ele/você puser (- am);
Eles viram > se eu/ele/você vir (- am);
Eles vieram > se eu/ele/você vier (- am).

3. Realmente não poderei tomar parte desse grupo. (errada)
Realmente não poderei fazer parte desse grupo. (correta)
Em primeiro lugar, a nossa língua não apoia o uso de palavras ou estruturas linguísticas estrangeiras, caso existam formas vernáculas, isto é, aquelas próprias da língua. A esse uso indevido dá-se o nome de barbarismo. Na frase analisada, constitui barbarismo o uso da expressão tomar parte; pois isso é uma influência do francês, chamada de galicismo. A forma vernácula prefere dizer: fazer parte desse grupo. Nunca devemos dizer: “tomar parte em...; digamos “fazer parte de...”.

4. O estimado público pode tomar assento. (errada)
O estimado público pode assentar-se; estar à vontade. (correta)
Novamente o mesmo problema. Em idioma português não se “toma assento”, sempre nos assentamos, ocupamos nossos lugares, acomodamo-nos.

5. Você estará recebendo maiores informações. (errada)
Você receberá melhores informações. (correta)
É grave o erro de se empregar formas verbais no gerúndio, na indicação de processos futuros. Isso virou mania no falar paulistano, principalmente. Ninguém vai estar falando, apenas falará. Ninguém vai estar entregando; apenas entregará etc.
As informações não são consideradas em seu tamanho; logo, não se diz: maiores informações. Deve-se dizer melhores informações. O que é melhor, não precisa ser maior! Aguarde! Vem mais assunto por aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário