Translate:

Pesquisar este blog

Receba as atualizações do blog em seu e-mail:

• Arguivo do blog

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

CHORO: FEMINILIZAÇÃO DO HOMEM?

A chamada ideologia de gênero tem causado rebuliço nas concepções de masculino/feminino. De um lado, estão os que mantêm a concepção dos “sexos” e suas funções já estabelecidas na sociedade. De outro lado, estão os que passaram a adotar outra concepção: a de gênero, dissociada da característica natural de homem e mulher. Todavia, não esse ponto que está em pauta nestas linhas. O que me conduz à reflexão é um texto em que um reconhecido pastor de igreja evangélica reformada, expõe sua compreensão relativamente à demonstração emotiva observada nos atletas nos Jogos Olímpicos.

Em sua dita reflexão, aquele pastor afirma que está decepcionado com a enorme demonstração de choro entre os atletas masculinos e atribui esse fato provavelmente a um processo de feminilização por que passa o gênero masculino. Não há dúvida de que o respeitável líder evangélico, ultimamente, tem revelado pontos de vista teológicos altamente discutíveis, mas guarda para si todo o estoque da certeza e da razão, o que é muito ruim. Além disso, aquele nobre obreiro evangélico tem avançado em seara a que não está afeito, como nesse caso, cujo assunto cabe à Psicologia. Assim, sua decepção beira a criticável posição machista de que “homem não chora”.

Os cientistas dedicados aos estudos tanto da Medicina, como da Biologia e também da Psicologia explicam o que é o choro e quais as suas funções. Claro que não cabe aqui compulsar os manuais científicos para aprofundar o assunto. Basta-nos saber que o choro resulta da expulsão de lágrimas, um fenômeno biológico (de homens e de mulheres).

A Psicologia tem dedicado estudos que expliquem as causas do choro. O Dr. Oren Hasson, da Universidade de Tel Aviv, diz que o choro é um comportamento (logo, uma forma de agir) estratégico que (em muitos casos) busca atrair a simpatia de outrem para um estado emotivo, ou para reduzir a possível opressão do adversário. O choro aponta para o “jogar a toalha”.

Apenas o ser humano tem no choro um comportamento psicológico.

Um problema sério cujo mal deve ser mencionado aqui é o que chamo de “síndrome do sabichão”. É certo que ninguém domina a maior parte do conhecimento, mas existe um preconceito contra o não-saber. Por isso, brota a tal síndrome. Repare que, mesmo alheio a um assunto tratado em uma roda, a tendência do leigo é tomar uma postura que disfarce a sua natural ignorância: eis a síndrome. Esse mal faz o cérebro inventar “explicações” falsas sobre determinado assunto ou tema. Todavia, o portador da “síndrome do sabichão” acredita em suas conclusões.

Ora, voltando à questão do choro, é sabido que um indivíduo pode entrar em situação de choro por muitos motivos; ente esses, a alegria de uma conquista. Quando se fala em conquista, prevê-se uma anterioridade de luta, de preparo intenso, de busca incessante; assim atividades que conduzem ao estresse físico e emocional. Nesse caso, o choro pode funcionar como a descarga da tensão acumulada durante o período de preparação para um embate.

Sabido quão intenso é o esforço despendido por atletas, a fim de se prepararem para uma competição; sabida é qual a ansiedade gerada no coração de uma mãe que aguarda a hora do parto, da jovem que vê aproximar-se o dia do casamento, a proximidade das provas que levam à conclusão de um curso, entre outras mil situações estressantes.

Associar o choro dos atletas, ou algo semelhante, a um processo de emasculação, ou feminilização do homem não passa da exposição da “síndrome do sabichão”. Esta afirmação não deve ser levada a título de ofensa a quem quer que seja: todos nós somos atingidos por essa síndrome, como forma de evitarmos a sensação do ridículo. Entretanto, valer-se dela para justificar verbalmente o que se desconhece, a priori, é atitude bastante desagradável e, não raro, ofensiva.

Os atletas nos Jogos Olímpicos, o estudante vitorioso nas provas, a jovem ante o casamento, a mãe ante o parto, choram, aliviando-se da carga emotiva que antecedeu o evento.

 O choro também traduz o sentimento de perda, de frustração, todavia, essas situações vão-se classificar como aquelas já mencionadas como a busca do apoio, da compreensão ou da compaixão de outrem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário