Translate:

Pesquisar este blog

Receba as atualizações do blog em seu e-mail:

• Arguivo do blog

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

VOCÊ AINDA ACREDITA EM DEUS?



“Disse o néscio em seu coração: — Não há Deus...” (Sl 53: 1).

       “Tu és terrível! E quem subsistirá à tua vista, se te irares?” (Sl 76: 7).

 

 

Não! Não se assuste: eu não me tornei ateu. A pergunta expressa no título é retórica, e eu poderia deixar o esclarecimento dela somente para o final deste texto. Mas...

Acontece que é frequente ouvirem-se muitas pessoas que afirmam de modo categórico: — Eu acredito em Deus. Não há quem não tenha ouvido — ou falado — isso.

É também verdade que as gentes não são muito interessadas no “sabor” das palavras: usam-nas como quem se alimenta do trivial, sem dar atenção ao tempero ou ao preparo que elas merecem. Palavras têm sabor, têm cheiro, causam efeito no leitor/ouvinte.

Não cultivo o hábito de ter nos dicionários uma fonte inequívoca dos significados (e esse não é, de fato, o papel deles), uma vez que eles não impõem significados; orientam-nos na direção aproximada dos diversos sentidos. O “sabor” das palavras se marca pelo contexto em que se empregam. Por isso, atrevo-me a pôr em discussão o emprego do verbo acreditar no lugar do crer.

Que sentença evidencia melhor o sentido de alguém se curvar à hegemonia divina: acreditar em Deus ou crer em Deus? O Dicionário Gramatical de Verbos, na edição de 1992, coordenada por Francisco da Silva Borba, aponta significados bem próximos para ambos os verbos.

Dentro do que interessa a este assunto, pode-se aceitar a informação de que os dois verbos requerem um sujeito experimentador (aquele que afirma por experiência pessoal). Assim, considera-se indiferente a noção primeira atribuída a “crer” ou a “acreditar” em Deus.

Levando-se em conta, entretanto, o sabor e o matiz das palavras, pode-se dizer que “acreditar” signifique “dar crédito”, “apoiar”, “avalizar”; atitudes que, definitivamente, não se aplicam à referência ao Deus Todo-Poderoso. Deus não precisa do crédito humano!

Por outro lado, “crer” denota que a fragilidade do experimentador confia na supremacia do Criador, além de expressar a mais absoluta dependência dele.

Quem acredita apoia, dá um voto, põe-se na posição de agente de um processo; assume ares de independência. Já o que crê confia de modo absoluto; assume atitude subalterna, espera com segurança, na certeza de que há poder naquele em quem deposita a crença.

À vista do exposto, fica fácil distinguir que as pessoas submetidas ao senhorio divino costumam declarar sua crença em Deus; isto é, crêem apoiados na fé inabalável, porque esperam dele, confiam nele, aguardam as decisões dele. Um dos maiores exemplos da crença em Deus é o salmista Davi. Ele diz: “Pereceria, sem dúvida, se não cresse que veria os bens do Senhor na terra dos viventes” (Sl 27: 13).

Os que não colocam em Deus a sua total confiança vão, no máximo, dizer que “acreditam”: dão algum crédito ao Todo-Poderoso, e o seu crédito é, em geral, volúvel: passível de outras orientações. O Senhor Jesus aplicou o verbo acreditar (no sentido de apoiar, dar crédito) quando orientou: “E, então, se alguém vos disser: Eis aqui o Cristo, ou: Ei-lo ali, não acrediteis”. (grifo meu). (Mc 13: 21).

De um modo geral, os que acreditam em Deus estão a um passo de se incluírem na sociedade dos néscios.  Por isso, eu CREIO em Deus. E você?

Com relação ao uso das palavras, é bom desistir do “tanto faz”. Sempre haverá diferença importante.

Nenhum comentário:

Postar um comentário