Translate:

Pesquisar este blog

Receba as atualizações do blog em seu e-mail:

• Arguivo do blog

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

SER LÍDER NÃO É SER DONO


O maior problema de um povo é o seu substrato cultural, isto é, aquilo que está na base de todo o seu conhecimento, de suas práticas; aquilo que determina o seu comportamento de modo geral.

As origens, inclusive as mais distantes - tanto do indivíduo quanto da coletividade - influenciam sua maneira de pensar, de analisar de dar forma à vida. As mudanças que podem ocorrer dentro desse processo intrínseco só se tornam viáveis por meio da Educação, entretanto, vê-se um círculo vicioso, já que a própria Educação tem princípio na influência ancestral.

O uso trivial das palavras, associadas a um dado significado, é marca evidente dessas influências; as palavras, muitas vezes, assumem valores semânticos bem distintos daquele sentido original. A causa está em que a palavra não decide seu sentido: o que atribui significado a um vocábulo é a “autoridade” do uso, dentro da comunidade. Um conceito semântico distorcido pode tornar confuso um significado no âmbito da sociedade. Tal fato acontece no que se compreende da palavra “líder”. Que é um líder?

A palavra líder provém do inglês. Dentro da praticidade desse idioma, ela assume o sentido de chefe (do francês), aquele que dirige, conduz, determina atitudes. Por causa da preeminência que o papel de líder impõe, a noção se associou à de dono, senhor, proprietário; o que não tem qualquer relação.

Um líder não é dono, senhor ou proprietário de seus liderados. A questão de “obediência” ao líder fica na dependência da compreensão dos liderados, relativamente, também, ao significado dessa palavra, nesse contexto. Como variam as possibilidades semânticas! Nada é mais móvel do que o sentido das palavras!

Um líder de fato, preparado para o seu papel, consciente de suas atribuições sociais não ignora a verdade aqui exposta. O verdadeiro líder não explora os liderados em proveito próprio, mas trabalha em benefício deles. Um liderado tem de ter, também, consciência de seu papel no grupo em que atua, cooperando, assim, para o bom resultado da empreitada. Um liderado não dita normas para atuação do grupo, mas pode sugerir ao líder aquilo que acha valioso para a consecução dos objetivos.

Quem disputa com o líder ou com outros liderados não é preparado para a obra, torna-se incômodo para o desenvolvimento das propostas e, consequentemente, deve ser afastado da equipe. Esse tipo de indivíduo não é raro; é tão frequente quanto a erva daninha que cresce no jardim.

Vale lembrar, entretanto, que a atitude de “obediência” à liderança não se confunde com “subserviência”. O liderado deve estar completamente envolvido com o projeto, sabendo que seu papel – dentro do que a estrutura lhe atribui - é indispensável para os bons resultados.

Assim, líder e liderados são cabeça e coração de um projeto. Não há cabeça que funcione sem coração. Não há coração racional que funcione sem cabeça.

Um comentário:

  1. Lembremos, sempre, que liderança cristã é servir. É deste tipo de líder que o reino precisa. De "líder" dono o mundo está cheio.

    Forte abraço,

    Washignton

    ResponderExcluir