Translate:

Pesquisar este blog

Receba as atualizações do blog em seu e-mail:

• Arguivo do blog

domingo, 6 de maio de 2012

CIDADES PECAMINOSAS

Vamo-nos ater a dois centros urbanos privilegiados deste país: São Paulo e Rio de Janeiro (a ordem em que aparecem nada importa). Trata-se de cidades que a cada dia se mostram mais cruéis, mais imorais, mais tenebrosas; ainda que meu leitor possa chamar-me exagerado. Então, vejamos se há exagero nestas minhas afirmações.
Comecemos pelo Rio de Janeiro. Há tempos, as autoridades não têm conseguido frear a escalada de crimes gravíssimos contra o ser humano. São crimes que corroem toda o tecido social, tanto no aspecto físico quanto no aspecto moral. As drogas ilícitas (quais deveriam ser lícitas?) levam, diariamente, à morte uma grande quantidade de jovens e suas famílias. As vinganças praticadas por homens maus são tenebrosas. No centro urbano a escalada de roubos, ou qualquer outro crime contra o patrimônio, não dá trégua.
No aspecto moral, mais propriamente dito, não há limite para a degradação sexual, incluindo menores! Todavia, vê-se um governo municipal que, de modo escancarado, apoia o turismo imoral, com a publicação da mais indecente das propagandas. Como se pode admitir tal bandalheira? Em outras palavras, o governo da cidade do Rio de Janeiro convida os promíscuos a virem para o "seu próprio lugar"!
Em São Paulo, vê-se uma Prefeitura investir soma fabulosa para realizar um evento que leva o pomposo nome de VIRADA CULTURAL. Mas, por entre atrações que podem ser culturalmente interessantes, espraia-se a miséria do crime, da promiscuidade sexual e de toda sorte de desmando.
Enquanto isso, tal qual um Nero com a sua lira, a administração, de sua janela, ri-se do inferno que rola: milhares de seres sedentos de atenção, acotovelam-se, agridem-se na disputa de um prato de comida! Os assaltos, os roubos, as brigas de rua emolduram a cena terrível.
Vivemos dias de Sodoma e Gomorra. Nesse meio, ainda deve haver muito Ló que, encantado com as "maravilhas" das grandes cidades, passa a conviver cega e pacificamente com os horrores.
Não há governo preocupado com o atendimento médico a uma população desvalida; não há transporte coletivo aceitável, nem moradia condigna. Não há escola para um povo desnutrido física, moral e intelectualmente. Não há verba, dizem os "neros". Mas há verba para a promiscuidade do turismo sexual, há verba para construção de estádios megalomaníacos e para as "paradas gays". Dia destes ouvi uma repórter dar conta da "importância econômica e social" de tais eventos.
Enquanto essas cenas se desenrolam, principalmente nesses dois grandes centros, não há praça que não seja moradia de mendigos bêbados e malcheirosos (qualquer boteco lhes vende um real de cachaça vagabunda), que se desobrigam das suas necessidades fisiológicas em qualquer lugar; que deixam restos de comida esparramados por calçadas, canteiros e jardins, chamarizes para cães, gatos e pombos também famintos.
A razão de toda essa miserabilidade: o Brasil está distanciado do Evangelho de Jesus Cristo. O Brasil decidiu andar com suas próprias pernas, à revelia da Bíblia Sagrada. O Brasil decidu caminhar para o inferno da desmoralização, da miséria, do desmando político e social e, por fim, anda em passos largos para o pior dos destinos: posicionar-se sob o castigo divino, que não tardará, se não houver generalizado arrependimento e retorno total aos desígnios do Altíssimo para todas as nações.
Cabe aos cristãos deste país assumir o papel que lhes é destinado: manterem-se fiéis a Cristo e levarem a todo canto a mensagem verdadeiramente salvadora da cruz. Cabe aos verdadeiros cristãos denunciar os vendilhões de milagres e de falsas promessas de uma vida regalada: outro desatino que conduz milhões ao distanciamento do Deus da salvação.

Um comentário:

  1. Parabéns pela sóbria abordagem! Para quem é do Rio, como eu, é difícil ter que reconhecer a imagem que esta cidade tão bonita passa para as pessoas nesse Brasil afora!
    Só Cristo pode mudar esse quadro, mas Ele não fará isso sozinho! Ele conta com seu povo.

    ResponderExcluir