Translate:

Pesquisar este blog

Receba as atualizações do blog em seu e-mail:

• Arguivo do blog

quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

SUCESSO SEM ESFORÇO!


É própria da natureza humana a prática do esforço para alcançar metas. Absolutamente nada se realiza sem essa ferramenta. O esforço não é um presente, uma dádiva: é uma imposição. Qual a origem dessa imposição?

Quando, no Éden, os primeiros pais decidiram desobedecer à orientação divina, sujeitaram-se à necessidade do esforço para sobreviver.

E ordenou o Senhor Deus ao homem, dizendo: De toda árvore do jardim comerás livremente; mas da árvore da ciência do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás” (Gn 2.16-17). Adão e Eva desobedeceram à determinação e se viram obrigados ao castigo que lhes sobreveio da parte de Deus: “E à mulher disse: multiplicarei grandemente a tua dor e a tua conceição; com dor terás filhos...; Adão ouviu sua sentença: “maldita é a terra por causa de ti; com dor comerás dela todos os dias da tua vida. [...] No suor do teu rosto comerás o teu pão...” (Gn 3.16-19).

Aí está uma imposição divina da qual não há quem escape. O esforço passou a ser inerente à atividade humana desde o ventre materno. Tudo quanto se realiza passa por esse processo, desde as atividades físicas até as intelectuais. Ninguém aprende coisa alguma sem esforço; a ciência evolui, multiplica-se, mas quanto custa em esforço aos cientistas!

Entretanto, Satanás procura mostrar ao ser humano que não há necessidade de cumprir essa lei divina; ele sempre acena com “facilidades”. Quando enganou a Eva, sussurrou-lhe facilidade, disse-lhe que “não é bem assim”. Ao próprio Senhor Jesus ele pretendeu acenar com suas “facilidades”; leia-se Mateus, 4. 1-11.

Até hoje ele opera nessa frequência, conduzindo o homem à procura do menor esforço. A sociedade atual está altamente envenenada com essa proposta maléfica. Nada de esforço. A máquina faz por nós. Tudo vem empacotado, enlatado, pronto. Para que esforço? A maioria dos estudantes exige fórmulas mágicas para resolução de questões necessariamente racionais. Vivem- se tempos do “espera-se que”.

Estive reparando os votos de bons tempos para o novo ano de 2014. Talvez se contem nos dedos de uma única mão as mensagens que sugerem trabalho, esforço, reforma, dedicação. Todos “esperamos”. Nunca a conjunção integrante que foi tão usada!

Observei populares entrevistados na televisão, nessa passagem de ano, sobre suas expectativas. Invariavelmente as respostas denotavam as aspirações com solenes “tomara que”, “espero que”, “o governo precisa resolver” etc. Qual a noção de esforço nessas expectativas?

Os casais vivem seus desacordos, enquanto “esperam que” o outro resolva; nas igrejas, os fiéis “esperam que” Deus os abençoe. Por aí, usa-se a expressão “se Deus quiser” num sentido de passar ao Senhor a responsabilidade da realização de um intento; nunca a usam no sentido de “esforço submetido à vontade divina”.  Vivemos a síndrome da esperança sem esforço. Uma cilada satânica muito bem espalhada no mundo.

Não haverá consecução de objetivos, não haverá paz, não haverá mudanças nos relacionamentos microssociais, nem macrossociais sem que se cumpra a determinação divina do esforçar-se.

Tome-se por lição a história do líder israelita Josué, que substituiu a Moisés. Deus lhe disse:

Moisés, meu servo, é morto; levanta-te, pois, agora, passa esse Jordão,...” “Esforça-te e tem bom ânimo, porque tu farás a este povo herdar a terra que jurei a seus pais lhes daria. Tão-somente esforça-te e tem mui bom ânimo para teres o cuidado de fazer conforme toda a lei que meu servo Moisés te ordenou;... (Js 1.1-8; grifos meus). A leitura do livro de Josué é indispensável para se observar a necessidade do esforço e dedicação a uma tarefa pessoal ou coletiva.

Eis-nos em 2014. Não nos conformemos com a esperança infrutífera. Partamos para o esforço e endossaremos um dito da sabedoria popular que diz: “Deus ajuda a quem madruga”. É fato!

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário